Assuntos de Goiás TV

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Retrocesso à vista: Além do PSDB, Temer inclui o DEM no governo e remete o Brasil aos anos 1990 – Assuntos de Goiás – Questão Brasil

Ideias e propostas para recuperação do Brasil sugerem apagar os oito anos de Lula à frente do Governo, e o objetivo cada vez mais claro é diminuir perante os brasileiros todo o legado do líder petista. 

 Retrocesso à vista, principalmente no que tange as conquistas sociais, é o que o Brasil pode esperar do novo "velho" governo Temer que pouco se importa com desgaste que isso pode provocar, pois o objetivo é acabar com benefícios do Governo aos governados. 

 Pelos planos de Temer, o PSDB comandará dois ministérios. Inicialmente, reservaram-se para os tucanos as pastas da Educação e das Cidades. 

O desejo de Temer é o de que o senador José Serra assuma a primeira.

Para o DEM, será destinado um ministério, provavelmente o das Comunicações. 

Por ora, os nomes mais cotados são os de José Carlos Aleluia (BA) e Mendonça Filho (PE). Temer cogita também indicar Rodrigo Maia (RJ) para a função de líder do governo na Câmara. 

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Dilma Rousseff: "Dama de Ferro" até quando?



Chega à presidência do Brasil pelas mãos do antecessor e mentor político Lula da Silva. Dilma Rousseff toma posse a 01 de janeiro de 2011, mas a primeira mulher a assumir a chefia de Estado era até 2010 uma figura, praticamente, desconhecida já que não se tinha apresentado a qualquer cargo eletivo. 



Filha de um imigrante comunista búlgaro e de uma brasileira, Dilma Vana Rousseff entra na política durante a ditadura. Foi torturada e passou três anos na prisão. 

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Lava Jato: Citações a Dilma, Temer e Lula são incluídas em inquérito





O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, decidiu nesta sexta-feira (20) incluir no principal inquérito da Operação Lava Jato trechos da delação do senador Delcídio do Amaral, em que cita a presidente Dilma Rousseff (PT), o vice-presidente Michel Temer (PMDB), e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).


Fonte: Lava Jato: Citações a Dilma, Temer e Lula são incluídas em inquérito

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Efeitos da mudança pós impeachment? TRE Condena Jovair Arantes por crime eleitoral




O Tribunal Regional Eleitoral de Goiás condenou o deputado federal Jovair Arantes, do PTB, a pagar multa por crime eleitoral.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Brasil celebra início de processo que pode levar à destituição de Dilma

Milhares de brasileiros festejaram o resultado da votação, na Câmara dos Deputados, que aprovou o pedido de impugnação do mandato da presidente Dilma Rousseff. 

 Choro e celebração durante votação do impeachment na Câmara.

sábado, 16 de abril de 2016

Impeachment é o ou não um Golpe na Democracia?

     Fará algum sentido Eleições Diretas após este 17 de Abril? Independente de sermos ou não favoráveis a saída da Presidente, seria salutar uma ruptura desta natureza para o país dito democrático?

A DEMOCRACIA não corre o risco de não passar de uma palavrinha bonitinha e usada muitas vezes em vão. Voto à Voto no Congresso é o que conta, resultado das urnas deixa de ser importante, e passa a ser apenas um detalhe, mas que quando cair a ficha da população, levará ao descrédito ainda mais nossos políticos, partidos e instituições que funcionam sim, mas de forma tendenciosa, parcial, excomungando alguns e protegendo outros sem o pudor de revelar que são extensões partidárias em um Brasil cada vez mais sem esperança e com muito menos medo do ridículo. 

A Democracia pode ser ferida de morte por conta do julgamento político que vamos assistir neste 17 de Abril histórico.

Seja qual for o resultado Domingo teremos a confirmação que o nosso sistema político esta falido, os ditos representantes do eleitor, 513 Deputados, podem ou não respeitar o resultado das urnas obtido na última eleição. 

Em que pese a situação do país, a crise que se agrava a cada dia, não só por conta de um Governo incompetente, mas também pela atuação de um Congresso achacador e de líderes que desde o fechamento das urnas em 2014, trabalham para minar o Governo. 

O comandante disso tudo não é o corrupto mor Eduardo Cunha, e tão pouco Michel Temer que é tido como exímio articulador, mas pouco capaz de engendrar um plano desta magnitude. O articulador do 3º, 4º, 5º, 6º. 7º e 8º turnos é Aécio Neves que por ironia do destino e várias citações de envolvimento com a corrupção da Lava Jato esta obrigado a permanecer nas sombras enquanto Eduardo Cunha e Michel Temer surfam a onda de "popularidade" entre aqueles que querem a deposição da Presidente eleita pelo voto popular.

Não, não isso não é golpe, uma vez que o Impeachment esta estabelecido na Constituição Federal, é no mínimo imoral, mas perfeitamente legal do ponto de vista jurídico. 

A população brasileira que por hora parece dividida será fiadora dos acontecimentos deste Domingo em Brasília. O Povo que foi às ruas e delegou apoiou total ao trabalho realizado pelo Juiz Sérgio Moro, pediu fim da Corrupção e ao invés disso pode estar referendando a mesma, qualquer que seja o resultado alguém em sã consciência não deixará de constatar que estarão legitimando os atos ilícitos que nos foram revelados até aqui, roubalheira descarada dos nossos Legisladores e muitos daqueles 6 milhões que estiveram nas ruas e diziam em redes sociais que não tinham bandidos de estimação, passarão a te-los agora como heróis de uma nação que momentaneamente esta sem chão.

E a pergunta é, terá algum sentido conclamar o eleitor a votar nos próximos pleitos, o voto obrigatório ainda fará algum sentido, após 513 parlamentares cassarem a vontade da maioria que votou e escolheu por quem queriam ser governados?

quinta-feira, 14 de abril de 2016

E o que e feito do dinheiro do IPTU de Goiânia?

A gestão pífia do Prefeito Paulo Garcia perdeu a noção de vez, Edilberto Dias que começou bem a frente da Comurg pelo jeito já se perdeu, caindo no lugar comum da pior administração da historia de Goiânia. 

A prefeitura não faz a parte dela fora dos domicílios e só toma decisões contra a população.
Capinar as calcadas de ruas da capital, que diga se de passagem no caso desta nem tem o que tirar, enquanto a Comurg sequer faz a sua parte dela que é recolher com regularidade o lixo das ruas.

A intenção não fica clara, mas o objetivo é penalizar o cidadão contribuinte. 

A Adriana Acorssi ainda vai querer convencer o eleitor a dar continuidade a isso?

O fardo Paulo Garcia sugere um naufrágio da Deputada nas próximas eleições e cadê o Vereador Paulo Magalhães que não olha pelos moradores do bairro?

Impeachment conduzido por corruptos e a validade do voto no Brasil

Quem tira governo ruim é o eleitor e não Políticos suspeitos de estarem envolvidos em atos de corrupção até a alma. 

Ouço que qualquer coisa é melhor que a Dilma, quem diz isso não conhece as história de corrupção imputadas aos integrantes do maior partido do país, o PMDB. 

A discussão pró ou contra o Impeachment é valida, mas independente de que partido "corrupto" esteja no comando do país, o processo deste domingo implica o respeito ao voto, o respeito a vontade da maioria. 

O Impeachment passando o voto direto perderá completamente o sentido neste país que banalizará de vez o sentido da Democracia.

Lula admite a aliados dificuldade de barrar o Impeachment



O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva demonstrou preocupação e admitiu a aliados, em reuniões nesta quarta-feira (13), que a situação atual do governo é difícil.

Depois de diversos partidos declararem voto pelo impeachment, como o PP e o PSD, até o ex-presidente, que assumiu pessoalmente a articulação para barrar o processo, admitiu a dificuldade da situação, mas tem passado aos aliados a mensagem de que é possível ainda reverter o quadro. 

 Aos parlamentares que estiveram com ele, pediu que ajudem procurando o maior número de deputados possível até domingo e enfatizou que é preciso continuar trabalhando. 

 O recado aos indecisos é que, caso o governo vença o impeachment, Lula se tornará ministro e mudará a atual gestão, dando espaço aos aliados. 

quarta-feira, 13 de abril de 2016

“Se ganhar, proponho pacto. Se perder, sou carta fora do baralho”



Em entrevista a veículos de imprensa no Palácio do Planalto nesta quarta-feira 13, a presidente Dilma Rousseff disse que a primeira coisa que fará caso o impeachment seja derrotado será propor um pacto, incluindo a oposição; "Digo qual é o meu primeiro ato pós votação na Câmara. A proposta de um pacto, de uma nova repactuação entre todas as forças políticas, sem vencidos e sem vencedores. Seja pós-Câmara, mas também pós-Senado, sobretudo. No pós senado é que isso será mais efetivo", disse; questionada se participaria de um pacto no caso de derrota, Dilma respondeu: "se eu perder sou carta fora do baralho" 

terça-feira, 12 de abril de 2016

'O Brasil deixou de ser a Pátria educadora para ser a Pátria compradora', diz deputado

Lúcio Vieira Lima, do PMDB da Bahia, critica o balcão de negócios montado pelo governo contra o impeachment e diz que "pedalada fiscal é termo leve": "Para mim é crime de natureza fiscal". Acompanhe a entrevista.


segunda-feira, 11 de abril de 2016

Comissão da Câmara analisa nesta segunda pedido de impeachment

A comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa o pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff  vota ainda hoje (11) o relatório do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), favorável ao impedimento. A previsão é de que às 10h tenha início a reunião, na qual 25 líderes terão a palavra antes de ser encaminhada a votação. Sendo ou não aprovado o parecer, ele será analisado pelo Plenário da Casa.

A expectativa é de que o relatório seja lido na primeira sessão plenária após a votação na comissão. Depois de lido, ele será publicado, o que deve ocorrer quarta-feira (13), dando início ao prazo de 48 horas para que seja votado pela plenária. Com isso, as discussões serão iniciadas sexta-feira (15) e a previsão é de que a votação seja concluída no domingo (17).

Na última sexta-feira (8), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, disse que a discussão tenderá a ser lenta. “O impeachment do Collor foi feito em dois dias. São 513 parlamentares, o que pode resultar em oito horas de votação. Prevejo, no mínimo, três dias de sessão. Não quer dizer que vá acabar no domingo. Pode acabar na segunda. Isso já aconteceu várias vezes na Casa”.

domingo, 10 de abril de 2016

Tentativa de Golpe infla popularidade de ex-presidente: Lula e Marina lideram corrida presidencial para 2018

O Datafolha apurou a intenção de votos para a corrida presidencial em 2018. Lula e Marina Silva lideram os quatro cenários pesquisados, um com o senador Aécio Neves como candidato, outro com o governador Geraldo Alckmin, um terceiro com o senador José Serra e o quarto foi uma eventual participação de Aécio, Alckmin, Serra e Sérgio Moro.



Perguntas e respostas sobre o "NÃO VAI TER GOLPE!"


segunda-feira, 4 de abril de 2016

Entenda o que aconteceu e acontecerá com o Brasil - Professor Olavo de Carvalho

Professor Olavo de Carvalho
Entenda o que aconteceu e acontecerá com o Brasil com quem acertou TODAS as previsões para o cenário político do país nos últimos 20 ANOS.

Seguidores